Resíduos Sólidos

Resíduos Sólidos

06 de Marco de 2019

Consórcio é melhor modelo de negócio para resíduos sólidos

Da redação

 

 

 

Técnicos do Paraná chegam à conclusão que a formação de consórcios entre os municípios é a melhor alternativa para o gerenciamento dos resíduos sólidos. Especialistas participaram, em Curitiba, de um evento técnico internacional de capacitação para o Projeto de Cooperação Técnica para a Proteção do Clima na Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos, organizado pela Sanepar, em parceria com a Agência de Cooperação Alemã GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbelt).
 
Na abertura do evento, o secretário estadual de Desenvolvimento Sustentável e Turismo, Marcio Nunes, ressaltou que a capacitação vai ajudar os municípios, principalmente os menores, a formarem consórcios para resolver a questão dos resíduos sólidos. “O Governo do Estado dá as diretrizes de como os municípios devem atuar, e a agência de cooperação alemã e a Sanepar ajudam com a expertise e tecnologia que têm sobre o assunto”, disse o secretário.
 
O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, também destacou a atuação e o know-how da empresa na área de resíduos sólidos. “A Companhia vai trabalhar como operadora desses sistemas, um modelo que poderá ser replicado para todo o Brasil. Caberá ao Governo do Estado dar aos municípios garantia jurídica, técnica e financeira.”
 
Os resíduos sólidos já estão em ambiente regulado dentro da Sanepar. Segundo o diretor de Investimentos da Companhia, Joel Macedo, será necessário agora definir a dimensão do negócio e de qual é o capital necessário para ele ser desenvolvido.
 
A Sanepar faz hoje a gestão de três aterros sanitários que atendem 7 municípios no Norte do Estado. Por meio de contratos com as Prefeituras de Cianorte, Apucarana e Cornélio Procópio, a Companhia administra três sistemas, que, em 2018, movimentaram 64 mil toneladas de resíduos, atendendo uma população de 290 mil pessoas.
 
O organizador do evento, Charles Carneiro, gerente de Resíduos Sólidos na Sanepar, disse que o projeto ProteGEEr terá desdobramentos até 2021. “O primeiro passo, de formação dos consórcios, já foi dado. Agora vamos trabalhar junto com os prefeitos no volume de resíduos sólidos a ser coletado. Quanto maior o volume, mais poderemos investir em tecnologia, beneficiando o meio ambiente e a população”, afirmou.
 
De acordo com ele, a Sanepar e o Estado têm colocado o segmento de resíduos como uma das prioridades para o desenvolvimento. “É urgente termos um trabalho efetivo e sustentável na área de resíduos em todo o mundo. A Sanepar tem se esforçado muito em busca de bons modelos de trabalho, que potencializem os avanços e tragam respostas concretas e sustentáveis para o setor”, afimou.
 
 
GESTÃO CONSORCIADA
 
 
 
 
 
A gestão consorciada visa obter a escala adequada para a prestação dos serviços de modo sustentável, onde deve haver uma congregação de esforços entre os municípios consorciados. Objetivo: arcar com os custos de uma gestão técnica, eficiente e modernizada dos resíduos sólidos, com a devida distinção entre as atividades de cunho tipicamente local. A gestão consorciada pode continuar sendo executada pelos municípios de forma isolada (atividades de coleta, por exemplo), daquelas que devem ser planejadas, articuladas e executadas regionalmente, como, por exemplo, o compartilhamento de estruturas físicas de disposição final (aterros sanitários). Vale destacar, no entanto, que o consorciamento para a gestão dos resíduos não se limita ao compartilhamento de aterros sanitários entre os municípios, podendo também ser compartilhados, por exemplo, equipe técnica (ex.: engenheiros), equipamentos (ex.: trituradores de poda) e outras unidades de destinação de resíduos (ex.: reciclagem de resíduos da construção civil), o que possibilita a elevação da capacidade técnica, gerencial e institucional para o desenvolvimento das atividades.